Social icons

Crescer e enfrentar medos

7 de junho de 2018

Enquanto escutava Shiver, da Lucy Rose, me peguei pensando na quantidade de vezes que senti medo desde o começo do ano. Foram inúmeras. Medo do futuro, do novo, de não conseguir fazer algo, medo das coisas darem errado, medo do incerto... E eis o meu maior medo: de tentar. Eu sou aquela pessoa que antes mesmo de praticar algo já pensa que tudo vai ser terrível. Nada que eu fizer, ou melhor tudo, nunca será bom o suficiente (pra mim mesma). A tal da insegurança e do perfeccionismo sempre estão ao meu redor, me rondando, e me sinto uma presa fácil pra ambos...

O título desse texto seria "O que aprendi no 1º período de Design", mas pensando bem, o grande destaque aqui não é nem o que aprendi, mas os desafios que enfrentei ao longo do semestre. Nos registros abaixo estão desenhos do personagem que criei para a matéria Linguagem e Expressão Gráfica como trabalho para obtenção de nota da segunda avaliação bimestral. Coincidentemente (ou não), a história do meu personagem é sobre enfrentar o medo. No instagram, cheguei a postar um rascunho na votação sobre qual nome poderia dar a ele, gentilmente me ajudaram e o nomearam por Gaspar.

Gaspar é um boneco de neve que desejava conhecer mais sobre as flores e a primavera, mas logo descobre que isso não será possível por conta da sua condição, o gelo não se conservará a tempo de vê-las. Obviamente, ele fica triste, amedrontado, angustiado, mas há um instante em que se aparta da ideia de prosseguir cabisbaixo e decide aproveitar o que lhe é proposto no inverno. Em meio aos seus tenros devaneios, mal sabe que tem uma alma primaveril em si.

A proposta avaliativa pedia três pranchas expressivas em a3 que contasse a história do personagem; eu só tirei fotografia de apenas uma, que é essa prancha técnica com emoções e os perfis do Gaspar, além de ter um bônus contando um pouquinho da conversa entre ele e um pássaro. As outras duas pranchas carregam a outra parte da história: na segunda folha, desenhei o Gaspar sonhando com a primavera enquanto nevava; e na última a3 desenhei o início da primavera no chapéu dele - repleto de várias espécies de flores dentro - que estava repousando sob uma poça de água (ele derreteu </3), dessa maneira, quis passar a minha visão do próprio Gaspar compondo a primavera. Ele queria tanto conhecê-la, mas ao mesmo tempo carregava uma parte dela consigo, mesmo sem imaginar isso.


Assim como diante do meu personagem havia uma barreira, diante de mim muitas foram colocadas (a maioria eu coloquei, admito). É engraçado pensar nas coisas que já passaram e que agora nem parecem ter sido tão tenebrosas assim, se eu tivesse tido mais calma e confiança... Para criar o Gaspar, só conseguia visualizar empecilhos e acabava me fazendo uma auto-sabotagem. "Não tá bom", "Nunca vou conseguir", "Essa história está horrível e clichê", "Eu não sei desenhar, não tenho criatividade e nunca usei aquarela, como dou conta de tudo isso?"... Esses foram alguns dos monstrinhos que me rodearam até a entrega do trabalho. No fim, apesar de todas as reclamações comigo mesma e de achar que não conseguiria terminar, eu terminei. Terminei e estava aliviada, mas não tão confiante. Uma semana depois, o resultado: a professora gostou muito e elogiou, me deu a nota máxima. Juro que fiquei sem acreditar quando vi a nota e os comentários na ficha avaliativa.

Eu sei que isso tudo não vai acabar por aqui... Mas eu também acredito um pouco mais em mim.
Cresço um tantinho cada dia em conhecimento. E os medos, bom, ficam pequenos.


P.S. Lembram como Mei e Mafalda eram? Elas também cresceram. :)

Bee Happy: de Março a Maio

31 de maio de 2018

As últimas semanas foram de extrema correria para mim. Quando sentei para escrever esse post, fiquei pensando em como resumiria três meses em apenas alguns parágrafos, o que me pareceu algo bem complicado de fazer. Apesar de não ter grandes novidades, aconteceram algumas coisas legais, principalmente no curso. Nunca imaginei que criaria vários logotipos, personagens e até mesmo desenharia uma peça-piloto (minha primeira roupa) e junto com ela, de quebra, uma revista de moda. Isso é a ponta do iceberg, desde o começo fomos desafiados a desenvolver diversos produtos, gráficos, desenhos, embalagens e etc, quando disse que design força minha criatividade, eu realmente não estava inventando!

Bom, então já dá pra deduzir o porquê de eu ter ficado tão ausente do blog por tanto tempo, isso não me deixou nada feliz (como vocês puderam ler em alguns desabafos por aqui), mas creio que foi algo necessário. Lendo os comentários que gentilmente foram deixados nas postagens, eu concluí que reservar boa parte desse meu momento aos estudos foi a melhor opção mesmo, e obrigada por todo o apoio que sempre me deram, incrível demais é ver como todos me ajudaram, desde os novos leitores aos mais antigos, se sintam abraçados porque vocês foram (e são) essenciais nessa etapa tão nova. <3

Bom, além disso, algo tem me deixado bastante satisfeita. As temperaturas andam mais baixas, o clima está úmido, com garoas isoladas e manhãs bem chuvosas, o que faz o dia ser convidativo pra maratonar os filmes do Studio Ghibli e me apaixonar (de novo) cada vez mais pelas trilhas sonoras deles. Inclusive, tô atualizando a playlist no Spotify com músicas dos últimos animes que ando vendo e dos filmes de animação japonesa também.

1. O primeiro spread do novo creative journal tá pronto desde semana passada, só esperando Junho chegar bonito com as minhas desejadas férias. Como o caderno que estou usando é maior, dá pra colocar vários dias em uma única página, diferente do que acontecia no outro, até agora tô gostando disso.
2. Uma parte das coisas de papelaria que chegaram por aqui. Meu planner 365 days foi entregue (quase um ano de espera), mas provavelmente só vou usá-lo ano que vem, ele vai servir pra anotar meus projetos pessoais, como aulas de aquarela, inglês, lettering e desenho. O conjunto com 6 washi tapes foi um dos melhores investimentos que fiz, tanto ele quanto o planner são da Kawaii Pen Shop. As duas washi tapes verdes e os adesivos de animais são da Pipolina Papel, uma lojinha muito fofa e que em breve pretendo comprar novamente, por enquanto só adquiri esses itens. Ah, e as outras duas washi tapes florais são da loja Plaza Japan.
3. Esses foram os dois últimos livros que ganhei dos meus pais. Fazia muito tempo que estava atrás de um sobre Monet, quando um amigo do curso me mostrou esse não tive dúvidas que seria o escolhido, e ele foi bem em conta custando apenas 18,00 no mercado livre. O sobre fotografia (que é lindo, por sinal, e estou quase terminando) foi comprado numa livraria do shopping daqui. Livros, com certeza, sempre serão os melhores presentes, haha. <3
4. Ressaltando meu amor por Mary to Majo no Hana lançado pelo Studio Ponoc, que é um estúdio pós Ghibli. Só tive tempo para assistir agora, mas o filme foi lançado ano passado. Nem preciso mencionar que após terminar de assisti-lo procurei a playlist... E encontrei, pra minha enorme felicidade. "Rain", música que toca nos créditos, não sai mais do meu modo repeat, muito fofa! *-*
5. Tirei essa fotografia como homenagem à Lary, que estará aniversariando amanhã. Ela é uma pessoa super importante nessa jornada do Bee Happy e do blog também. Lary foi a primeira leitora do Candy <3, é uma amiga de anos (estudamos na mesma sala por 3 anos no colegial) e agora, bom, compartilhamos juntas o amor pela fotografia. Não poderia ter uma parceira melhor. Essas duas aquarelas foram feitas por ela quando o Bee Happy completou 1 ano, hoje as guardo com um carinho imenso. Parabéns, poesia.
6. Meus filhos, Totoro's, Mei e Mafalda, diferente de mim, não estão muito à vontade com os dias nublados, mas pelo menos crescem saudáveis, o que significa que ainda não falhei como mãe. Gracias!
7 e 8. Combos de Zeca porque fazia um tempão que não tirava fotografias dele e, consequentemente, não aparecia no blog. Fofura nunca é demais. A preguiça, evidentemente, é inextinguível.

Com as férias anunciadas, posso me dedicar ao blog o máximo possível, talvez faça uma rápida viagem para São Paulo por uns 10 dias, então, quero me programar pra trazer uns posts diferentes com registros de lá. Mas enquanto isso não acontece, estou me organizando para colocar em ação os planos de publicar mais e responder com calma os comentários de vocês a partir de hoje (finalmente). Enfim, até logo, pessoal. ❤️

Bee Happy é um projeto fotográfico postado todos os meses, no qual 6 fotografias (ou mais) ilustram um resumo deles; atualmente é composto por Laís (criadora), Laryssa e Laura. Se você desejar fazer parte, será bem-vindo com alegria por nós, basta apenas entrar em contato sobre seu interesse.

O que eu quero fazer, o que eu estou fazendo

5 de maio de 2018

Ultimamente tenho pensado muito em como gerir meu tempo. Tem coisas que quero fazer e não posso, tem coisas que faço mas não queria estar fazendo. Eu entendo que entrei numa nova fase e que ela vai, de qualquer maneira, me "roubar" de mim. Mas e quando a gente quer dar uma pausa em tudo e só se reservar pra um outro algo?

Bom, pensamentos confusos à parte, o que estou querendo trazer pra cá é sobre a saudade da fotografia e do blog. Passamos mais da metade do período no curso, logo mais terminaremos ele; apesar do recesso vir em breve, eu o sinto tão longe... Não estou reclamando, não mesmo, pelo contrário, gosto de tudo em design, é um curso incrível e que desperta de várias formas o meu processo cognitivo e criatividade, apesar de ainda travar em inúmeras atividades, hehe.

A questão é que tenho observado o blog estagnado de um lado e os trabalhos fotográficos de outro. Eu me esforcei bastante pra fazer três posts em março, e alguns deles não ficaram exatamente como eu queria. Sem contar, e nisso eu devo um pedido de desculpas enorme a vocês, a quantidade de comentários que tem pra eu responder. Isso não significa que não os leio, eu leio sim, leio e releio. Todo santo dia, quando estou tomando café, antes de me arrumar e ir pra Ufal, me pego lendo o que vocês escrevem por aqui, e eu amo dedicar esses pequenos minutos (por conta da correria) a isso. Eu sorrio com cada coisinha escrita. Mas eu sinto necessidade, saudade e falta de dar um feedback pra vocês. Eu não quero passar a impressão de ingratidão, abandono, negligência ou até mesmo de preguiça. Um dos fatos mais legais que percebi em ter um blog é justamente poder se relacionar com leitores e conhecer também os blogs deles! Então, eu sinto, sim, uma angústia/melancolia quando passo meses sem poder realizar essa troca.

Quem acompanha o Bee Happy pôde perceber que tenho dois posts do projeto atrasados, além disso, estou com vários nos rascunhos sobre outros assuntos... Há apenas mais 3 semanas de aula e só o que posso fazer é esperar para me desligar da Ufal e tentar relaxar ao máximo que puder o pequeno recesso que me será dado. Nisto já me programei, vou responder absolutamente todos os comentários pendentes daqui e publicar pelo menos uns dois ou três posts por semana, são metas definitivamente estabelecidas.

Mas, por enquanto...


Sigo com saudade de todos
e uma vontade enorme no peito de voltar logo.

Contém amor: Bee mine

30 de março de 2018

Esse era um post que eu estava querendo escrever há séculos, primeiro porque adoro artigos de papelaria e segundo porque é uma das lojas que mais comprei em 2017, e acho que foi a primeira compra de papelaria fofa em 2018, por esse motivo dá pra imaginar como gosto da loja. A Bee Mine já apareceu no Candy em outras publicações, em fotos aleatórias pelo instagram e etc, mas decididamente queria um espacinho apenas para ela, pra apresentar a vocês com o devido amor que a mesma merece.


A maioria dos itens, como mencionei logo acima, rodou bastante pelo blog, então pode ser que vocês achem meio repetitivo. Eu aguardei, ansiosamente, ter uma lista mais "substancial" dos produtos para poder fotografar e mostrá-los num único post, assim não ficaria tão segmentado como tava antes.

Fiquei em dúvida se fazia logo ou se esperava comprar mais novidades na loja, mas como não sei quando terei condiçõe$ novamente (pois o frete dos Correios tá um absurdo de caro pro meu Estado), por via das dúvidas, resolvi publicar logo.


Para quem caiu aqui de paraquedas e ainda não conhece, a Bee Mine é uma loja não somente de artigos de papelaria, mas também de todo tipo de fofura que possamos imaginar. Antigamente, a Jess, dona da loja e blogueira no O Mundo de Jess, vendia muitos pins por lá, inclusive, eu cheguei a adquirir um do Totoro que me apaixonei perdidamente, essa foi a minha primeira compra. Daí por diante, eu não parei mais! Atualmente, tem mais variedades em papelaria, decoração e organização, sem contar que novidades chegam quase todo mês e os produtos esgotam bem rápido por conta da demanda, então se vocês, assim como eu, são viciados em coisas fofas, recomendo seguirem o instagram da loja, assinar a newsletter e o que mais tiver direito, hahaha. :D

COMPRAS


Um dos primeiros itens foi o pin Totoro, em seguida, a primogênita das minhas washi tapes, e uma cartela de post-it que está durando até hoje, ela veio com esses quatro modelos super meiguinhos. que esqueci de tirar fotos dos detalhes. :( Mas um é com estampa polka dot, outro é xadrez, um listrado e o meu preferido tem estampa de frutinhas.


Uma parte da minha coleção de washi tapes veio da Bee Mine, mas também não tinha como me segurar, porque os modelos são lindos e todos seguem uma linha que me agrada: plantinhas e florais. Acho que um ponto forte que faz a loja estar no meu rank de favoritismo é justamente a variedade nas fitas decoradas. Se eu pudesse, compraria uma toda semana, haha. Até agora, a minha última aquisição foi essa dos pinheiros e que também está sendo a queridinha da vez, ela me lembrou muito uma colagem que fiz no bujo com tema de natal. É tanta amor envolvido que até o papel vindo com a washi tive que guardar por motivos de "ilustrações fofas". <3


E por último, os itens mais recentes que apareceram no Bee Happy de Fevereiro. Esse caderno me servirá de bujo, mas apenas começarei a usá-lo lá pro meio do ano, pois quero terminar o antigo antes. Depois de ter passado do momento experimental com o meu bullet/creative journal, decidi que era hora de investir num caderninho maior, pois meu planner está fora de cogitação no momento, por conta dos Correios que insistem em não entregar, haha </3. Inclusive, minha ideia inicial era fazer do creative journal um lugar para colocar memórias, lembranças e minhas fotografias, e deixar o planner para tarefas do dia e etc.
Preciso comentar sobre esse estojo? Foi amor logo de cara! Na verdade, antes de decidir comprá-lo, fiquei em dúvida entre ele e outro mais clean, mas esses cactos definitivamente me ganharam, haha. No geral, achei o material dele muito bom mesmo, além de ser espaçoso e ter cores lindas. :)


A Bee Mine é uma loja incrível porque por trás dela há uma pessoa que se dedica imensamente a agradar os clientes e fornecer o melhor atendimento possível. Faço essa afirmação pois a Jess sempre esteve a me ajudar nas dúvidas que tinha, tudo com prontidão, respeito e meiguice (muita meiguice), ela é tão fofa que uma vez chegou a me presentear com duas washi tapes, nem imaginava que isso iria acontecer, fiquei tão feliz!

Ao escrever essa postagem não estou fazendo por propaganda, apesar de estar apresentando a loja a quem ainda não conhece. Mas é por pura afeição e carinho, como uma forma de agradecê-la, de mostrar o trabalho maravilhoso que ela faz, nos proporcionando um lugarzinho online para adquirir itens que contêm amor. Por fim, espero que vocês tenham gostado de tudo, pessoal. Até logo e obrigada pelo carinho de sempre. 

Rainy song, photographic therapy

24 de março de 2018

Hoje o dia amanheceu ameno, diferente de ontem que estava quente, abafado e com o sol em evidência. Hoje o sol estava tímido, não apareceu, exceto quando algumas nuvens o deixaram fazer por alguns segundos. Hoje, ao acordar, fui até o quintal e pude sentir uma calmaria no vento, enquanto dentro do peito havia um turbilhão de pensamentos em relação à vida e ao que vai se suceder. Foi instigante o contraste entre os sentimentos que pairavam no ar e em mim. Eu tenho mil e uma coisas pra fazer, mas abandonei tudo por esse momento, para tentar me esgotar nele. Eu precisava disso, de uma playlist calma, ficar quietinha, observando a chuva pela janela, que caía e ainda cai ternamente.

O ar está úmido e eu gosto disso. Da sensação de também congelar esses instantes, essas memórias, do que a fotografia me proporciona... Semana passada ganhei um livro de presente, meu primeiro livro de fotografia. 
Em uma das páginas estava escrito "A fotografia nos dá a oportunidade de desacelerar e enxergar melhor o que a maioria de nós menospreza". E é exatamente isso que sinto quando fotografo, principalmente em dias assim.

Hoje a chuva foi minha trilha sonora,
e eu vivi uma terapia fotográfica.
A calma pra alma.

Contact

Nome

E-mail *

Mensagem *